terça-feira, 20 de setembro de 2016

Dívidas XIII





Dívidas XIII

Toda a vida no planeta Terra é definida pelas dívidas. É um conceito que está introjetado na mente todas as pessoas. Mesmo nos casos mais absurdos. No filme “Gladiador” temos um exemplo perfeito. Quando o General é ferido e salvo pelo empresário de gladiadores, ele torna-se escravo deste. Passou de homem livre à escravo porque foi ajudado por outra pessoa. Passou a dever a vida. Quando os invasores de qualquer lugar falam que poderiam matar todos, mas que iria poupa-los, estes passam a dever a vida! E tornam-se escravos também. Quando um império colonial invade um outro povo a primeira coisa que faz é instituir impostos a serem pagos ao império. É desta forma que as dívidas são criadas em povos que nunca tiveram esse conceito.

Vejamos um caso exemplar: uma pessoa compra um apartamento. Quem está intermediando omite a informação de que é preciso saber se o vendedor tem débitos trabalhistas. O intermediário só informou dos outros impostos e omitiu isso. O comprador não sabe que deveria consultar um advogado para saber isso. Comprou na boa fé confiando no intermediário. Cinco anos depois aparece uma dívida trabalhista do proprietário do apartamento (quem vendeu). O comprador é obrigado a pagar a dívida que significa o valor do apartamento. Ele pagou a dívida trabalhista no valor do apartamento. Entrou na justiça e perdeu. Agora vejamos até onde pode ir essa forma de agir do vendedor do apartamento. Caso ele planeje uma falência ele pode comprar um apartamento e vende-lo em seguida. Todas as dívidas trabalhistas recairão no comprador do apartamento! E o comprador não tem o que fazer! Portanto, todos que compram algo devem ficar atentos a se o vendedor tem dívidas trabalhistas.

Em quantos lugares da Terra ainda existe a regra de que se a pessoa não tem como pagar uma filha é levada como escrava? Ou a própria pessoa se torna escravo? Ou formas mais sutis de escravidão? É por esta razão que se deve evitar de fazer dívidas de toda forma. Vejam que quem empresta não corre risco algum, pois receberá de qualquer forma. 

Mais uma vez a filosofia de soltar se aplica aqui. É preciso soltar a vontade de fazer dívidas. Desapegar-se o máximo possível. Pois uma dívida gera ansiedade que põe pressão para pagar a dívida e isso por si só dificulta pagar a dívida. Ter que ganhar dinheiro é a pior coisa que se pode sentir para se poder ganhar. Quanto mais pressão menor o resultado. 

Outra questão importantíssima é a capacidade do credor precificar a dívida. Uma questão abstrata passa a ser aritmética. Se um invasor não te mata ele pode pôr o preço que quiser pela sua vida. É o que acontece nos sequestros. Para devolver o sequestrado é pedido um valor estipulado pelo sequestrador. 

A forma mais eficiente de perder-se a liberdade é fazer dívidas. 


Nenhum comentário:

Postar um comentário


Videos editados I


Ninguém está autorizado a editar meus vídeos e fazer montagens, cortes, adições ou qualquer outra manipulação com as imagens das palestras.

Somente com autorização por escrito alguém pode usar minhas imagens.

Isso já foi dito na palestra passada e já postei sobre isso.

Quem está fazendo isso está prejudicando o trabalho.

Existe uma estratégia de divulgação feita por mim e que está sendo seguida à risca.

Todos os vídeos editados por outras pessoas devem ser tirados de qualquer mídia em que estiverem.

Postagens populares

Marcadores