sexta-feira, 17 de julho de 2015

"The Tragedy of the Commons"



"The Tragedy of the Commons"

O Dr. Dylan Selterman, professor de psicologia na universidade de Maryland, oferece aos alunos melhorarem a nota final bastando acertar uma entre duas opções. A pergunta é se os alunos desejam que ele acrescente entre 2 e 6 pontos na qualificação final. Porém, se mais de 10% da classe pedir 6 pontos, ninguém obterá nenhum ponto.
O resultado é o que a Teoria propõe. A Tragédia dos Comuns foi formulada por Garrett Hardin em 1968. Ela descreve uma situação em que os indivíduos motivados apenas por interesses pessoais, atuando de forma independente e racionalmente, destroem um recurso comum.
Fala-se que quando nasce um bebe ele vem sem manual de instruções. Na verdade, o manual já está dentro dele e chama-se Intuição. Um canal sempre aberto, mas que é preciso silêncio para se escutar. E não se pode racionalizar. O que os estudantes do curso acima fazem. Eles escolhem racionalmente de acordo com seus interesses particulares. Que é exatamente o que falo que o ego faz. E é isso que cria os problemas. O Equilibro de Nash provou a mesma coisa e o Dilema do Prisioneiro também.
A dois mil e quinhentos anos mais ou menos isso já foi explicado detalhadamente. Lao Tsé e Sidarta Gautama, O Buda, explicaram que quando se solta se tem e que quando se prende se perde. Todo vendedor deveria saber disto na “palma das mãos”. Toda vez que se pressiona um cliente a probabilidade de perde-lo é gigantesca. Ponha pressão e o cérebro reptiliano reage na hora. Experimente dizer para um crocodilo que ele deve deixar os gnus atravessarem o rio.
A única solução que existe é soltar. Soltar como convicção pessoal, soltar emocional e racionalmente. Desapego. Os interesses do ego vão contra tudo isso, vão contra as leis que regem o universo. Coloque numa ilha cães e cabras. O que acontecerá? Os cães comerão todas as cabras e morrerão de fome porque não existem mais cabras. O que aconteceu na Ilha da Páscoa? A mesma coisa. Derrubaram todas as árvores até destruir o meio ambiente. Infinitos exemplos.
Cada um está olhando só os próprios interesses e acha que não haverá consequências disto. Entre estudar e passear o que fazer? Entre trabalhar e “enrolar tomando n cafés”? Entre manipular ou não? Entre escravizar ou não? Entre explorar ou não? São mínimos detalhes que somados destroem o que todos querem individualmente. Por exemplo, para os chineses chegarem no nível dos americanos de hoje, são precisos dois e meio planetas Terra! Só temos um! E os chineses estão trabalhando arduamente para chegarem lá e precisam de mais dois e meio! E os terrestres já estão gastando 1.4 planeta Terra. Sacando do futuro. Do mercado futuro.
Uma coisa que talvez a maioria ainda não percebeu é que dinheiro só vem quando não se tem apego por ele. Quando o dinheiro não tiver mais importância ele virá. Enquanto a pessoa põe pressão para ter ela vive numa escassez de recursos. Lutando pela sobrevivência. Como se chegou nisso? Como uma pessoa fica endividada? Qual foi a motivação para fazer dívidas? Qual foi o apego? O que ela não soltou? Caso tivesse soltado não teria dívidas e não estaria numa situação complicada. Dinheiro só vem quando não significa mais nada. Aí vem. O sucesso só vem quando não significa mais nada. Essas são leis universais.
Quando colocamos os interesses particulares acima de tudo contrariamos essas leis e os problemas aparecerão na certa. Só questão de tempo. Por isso esses Avatares explicaram tanto que é preciso soltar, desapegar-se, etc. Quanto mais pressão e ansiedade menor o resultado conforme o Experimento Zeno mostra. A atenção concentrada paralisa tudo. E ansiedade é um medo imenso que paralisa da mesma forma. Se você está num campo e uma vaca corre em sua direção o que você faz? Fica paralisado? Em quanto tempo reage? Pegue uma caneta na mão, se uma pessoa disser para soltar em quanto tempo você solta? Já fiz esse teste nas palestras e levam segundos para soltarem. Isso é o apego.
É aquele desejo de que “quero porque quero”. Por mais que se explique que aquilo não é viável ou é impossível a pessoa “quer porque quer”. Isso é o ego acima de tudo. Quando o Titanic estava começando a adernar o que a banda de música fez? Foram para o convés e continuaram tocando até o fim. Isso é soltar. Isso é Iluminação Espiritual. Isso é aceitar o inevitável com serenidade. Sem protestos, sem se debater, sem reclamar, sem xingar, sem maldizer, etc. Este é o nível em que se tem de chegar. E eles provaram que é possível ser assim. Eles não foram arrancar as mulheres e crianças dos botes. O que seria do interesse particular deles no momento. Ficar vivo a qualquer custo. Eles foram capazes de contrariar o cérebro reptiliano e soltar a vida em prol dos demais.
Toda vez que a pessoa começa a pensar “tenho que vender”, “tenho que ganhar”, “vamos enfiar o produto na goela do cliente”, “quero a promoção de qualquer jeito”, “custe o que custar”, “tem que dar certo”, “desta vez vai”, “depois do carnaval anda”, “ano que vem melhora”, “a ferro e fogo”, significa por pressão para que algo aconteça. E isso vai contra o fluxo do universo. A Teoria do Caos não funciona assim. A oscilação é normal e natural. Ter de vender sempre, ter crescimento linear eterno é uma coisa que simplesmente não existe. É querer sair do buraco puxando os próprios cabelos!
Por isso foi dito que quando quiserem que você ande uma milha ande duas! Quando quiserem a túnica solta a capa! Quanto menor a resistência mais se avança. É um conceito profundo isso. Não é derrotismo, nem fraqueza, nem negatividade. Pelo contrário é uma força tremenda poder fazer isso. Soltar. Só os fortes soltam.
O conceito de rendição e entrega é a mesma coisa. É o soltar. Quando a pessoa se rende ela entra em fluxo. E só o fluxo permite o crescimento pessoal em todas as áreas. Sem pressão, sem ansiedade, sem desespero, etc.
Quando Nietzsche falou sobre o super homem do futuro, ele estava falando do homem individuado. Isso não foi entendido. O homem individuado é o que está unificado. Está completamente integrado. Seu ego desapareceu, está fundido com o Self. Existe outra coisa no lugar do self. Só existe a fusão do self com o Self. O super herói americano Superman é uma estória que exemplifica isso. O que faz o Superman? Ele procura os seus próprios interesses? Ele só trabalha e vive para ajudar a humanidade. Seus superpoderes só servem para ajudar. Vive disfarçado e sempre que é necessário ajuda. Sem que ninguém saiba quem é ele. “Que a sua mão esquerda não saiba o que a direita faz”. Ajudar sem alarde.


Nenhum comentário:

Postar um comentário


Videos editados I


Ninguém está autorizado a editar meus vídeos e fazer montagens, cortes, adições ou qualquer outra manipulação com as imagens das palestras.

Somente com autorização por escrito alguém pode usar minhas imagens.

Isso já foi dito na palestra passada e já postei sobre isso.

Quem está fazendo isso está prejudicando o trabalho.

Existe uma estratégia de divulgação feita por mim e que está sendo seguida à risca.

Todos os vídeos editados por outras pessoas devem ser tirados de qualquer mídia em que estiverem.

Postagens populares

Marcadores