quarta-feira, 10 de junho de 2015

Resistência ao crescimento VI




Resistência ao crescimento VI


Enquanto o trabalho for visto como um castigo ou uma maldição ou um mal necessário, não haverá possibilidade de progresso e crescimento.


Esperar dar 17 horas com ansiedade, chegar sexta-feira ou detestar a segunda-feira, é o sentimento que impedirá progredir. 


Qual é o sentimento que se está emanando? Que gosta do trabalho ou que detesta?


Isso tudo faz parte da filosofia de vida da pessoa. É indispensável ver o trabalho como uma oportunidade de crescimento pessoal, de desenvolver as habilidades que tenha e adquirir outras, de expandir a personalidade e explorar todo o potencial.


As consequências de detestar o trabalho aparecerão logo. Perda de emprego, má remuneração, não promoção, sem outras ofertas de trabalho, etc. E isso tudo levará inevitavelmente a dívidas. Se não ganha é óbvio que o caminho mais curto é fazer dívidas. E dívidas são o caminho mais curto para a escravidão e a perda da independência pessoal.


É preciso ter alegria quando chega a segunda-feira, amanhece para trabalhar e dar o melhor de si no trabalho qualquer que seja ele.


E fazer o que é certo da primeira vez. Não há necessidade de fazer a mesma coisa duas ou três vezes até acertar. É preciso ter o sentimento do estado da arte. Fazer do trabalho uma arte.


Entrar em fluxo com o Todo durante o trabalho. Fechando o foco no que está fazendo o tempo todo.


E nunca prejudicar ninguém com o próprio trabalho. Seguir o que Sócrates ensinou a vida inteira. Caso a pessoa ache que não dá para seguir Sócrates, ela pode ter certeza de que tem sérios problemas de crenças. E toda crença atrai inevitavelmente a realidade para ela. Toda crença vira realidade mais cedo ou mais tarde. A única forma de viver bem é fazer o que Sócrates fazia. Nunca prejudicar ninguém. 


Um funcionário, uma empresa ou um país em que a maioria absoluta esteja imbuída destes sentimentos terá progresso extraordinário e felicidade duradoura. 


A rejeição ao trabalho, achando que o trabalho é coisa de escravos, de indígenas, de trabalhos forçados nos gulags, nas plantações de algodão, nos moinhos de açúcar, nas fábricas de trabalho escravo de hoje em dia, levará com certeza à infelicidade, à miséria, ao crime, à fuga da realidade, etc.


Todos que querem progredir devem analisar profundamente o sentimento que tem sobre o trabalho.

Hélio Couto

Nenhum comentário:

Postar um comentário


Videos editados I


Ninguém está autorizado a editar meus vídeos e fazer montagens, cortes, adições ou qualquer outra manipulação com as imagens das palestras.

Somente com autorização por escrito alguém pode usar minhas imagens.

Isso já foi dito na palestra passada e já postei sobre isso.

Quem está fazendo isso está prejudicando o trabalho.

Existe uma estratégia de divulgação feita por mim e que está sendo seguida à risca.

Todos os vídeos editados por outras pessoas devem ser tirados de qualquer mídia em que estiverem.

Postagens populares

Marcadores