sábado, 16 de março de 2013

Dívidas IV



Dívidas IV

Existe um axioma do poder que diz o seguinte: quem é capaz de criar dinheiro tem o poder total. Tudo na sociedade está debaixo deste poder. O poder de emitir moeda, de criar dinheiro ou crédito. O colapso da função de onda total no que tange às criaturas. O máximo de poder que um ser, uma pessoa, pode almejar é o de criar dinheiro.
E é exatamente isso que acontece quando se faz dívida. A dívida é a perda total do poder da pessoa, empresa ou país. O ser endividado não tem mais poder nenhum e o seu credor têm poder absoluto. Essa é a regra que rege as relações sociais, econômicas, políticas e etc..
As associações de ajuda mútua informais que alguns imigrantes usam entre si não chega nesse ponto do poder porque não criam dinheiro. Apenas usam o dinheiro que os membros poupam e colocam num caixa único. Quando alguém do grupo precisa usa esse dinheiro, faz um empréstimo praticamente sem juro e depois devolve o dinheiro para esse fundo. Na realidade não é criado dinheiro nesse tipo de transação.
O poder de criar dinheiro do nada acontece quando se faz um empréstimo, se usa o crédito e se faz uma dívida. Aqui é onde reside o real poder. O dinheiro surge do nada. A moeda é criada do nada. Literalmente. Antes não existia esse dinheiro e agora existe. Atente para o detalhe de que você não recebe em moeda alguma, você apenas tem crédito (dívida), sendo o juro deduzido do seu crédito. Isto significa que você na prática nunca consegue pagar essa dívida. Você empresta 100 e recebe 90 (juros deduzidos). Como juntará os 100 se só recebeu 90? Não importa que tipo de moeda se use nessa transação. Você terá de pagar com a mesma moeda (que sacada genial, não?). Quem emite a moeda tem o controle de você para a eternidade (enquanto durar aquela moeda). Entendeu? Só eu emito aquela moeda, chamemos de moeda-X. Isso pode ser um papel ou metal. É simbólico, pois o papel ou metal nem precisa existir. Só que você tem de devolver (pagar) os 100 que emprestou, mas só recebeu 90. Como faz isso? Impossível. Perceberam? A dívida é impagável. É isso que acontece em última instância com quem tem o poder de emitir moeda. Ninguém consegue pagar a dívida e ela aumenta sempre já que não se consegue pagar e os juros são aplicados sobre juros (uma estratégia diabólica por excelência).
Imagine que você precise de crédito (dívida), de dinheiro e venha falar comigo. Eu lhe pergunto quanto você precisa e você diz: 5 mil. Não importa de que. Qualquer coisa serve. Eu lhe digo: eu lhe empresto (agora você tem dívida). Pode usar no que quiser e mande falar comigo a pessoa que se tornar sua credora em alguma coisa. Por exemplo: você compra um par de sapatos e fala para o lojista tratar comigo sobre o pagamento dos sapatos. Não houve emissão de papel moeda. Apenas de crédito (dívida), mas na prática a moeda foi criada. Uma questão é que continua sendo a única moeda transacionada numa determina região (país, comunidade de países). Mas, dinheiro foi criado do nada. Dívida foi criada do nada.
Conseguem entender o poder que existe por trás deste ato? É um poder sobre todas as pessoas e instituições que possam existir. Esse é o poder absoluto. Quem tem essa capacidade tem o poder absoluto. O resto é aparência de poder ou delegação de poder ou hierarquia de poder.
O economista austríaco Friedrich A. Hayek defende que se usem várias moedas num país ou comunidade. Essas moedas competiriam entre si e o mercado decidiria qual usar. Em seu livro ele fala que não vê nenhuma chance disso ser adotado por enquanto devido ao estado de consciência da humanidade. Ele entende o cerne do problema. Se tivermos várias moedas o poder será distribuído. Não será mais absoluto como é hoje.
A ideia de uma moeda única para um grupo de países tem essa ideia de poder e submissão implícita. Hoje em dia os europeus estão começando a perceber o quanto custa perder a autonomia de ter a própria moeda. Quem está no euro está numa situação sem saída, pois não determinada mais nada em seu país. Viram que quem não está no euro tem muito mais opções de manobra para sair da crise ou enfrentá-la. Só que para sair o custo é tremendo e é preciso um consenso da população para fazer isso. E isso depende de que as pessoas entendam o processo descrito acima. Qual a chance de uma população inteira entenda isso? Praticamente nula. Principalmente porque não é explicado da forma que expliquei. E sendo assim ninguém praticamente entende. E quando há uma votação sobre isso tudo continua na mesma. Óbvio. Mesmo que as crianças já estejam desmaiando de fome nas escolas ou tenham de levar cobertor de casa, pois a calefação não existe mais ou tenham de trazer papel higiênico de casa e etc..
Depois que se implantou o sistema sair dele é praticamente impossível. E o objetivo é ter uma moeda única mundial. Esse é o objetivo que está sendo perseguido sem parar. Silenciosamente, mas sem parar.

Direitos Autorais:
Copyright © Hélio Couto. Todos os direitos reservados.
Você pode copiar e redistribuir este material contanto que não o altere de nenhuma forma, que o conteúdo permaneça completo e inclua esta nota de direito e o link: www.heliocouto.com

2 comentários:

Ananda disse...

Link para o livro: "O caminho da servidão" - Friedrich Hayek

http://www.ordemlivre.org/wp-content/uploads/O-Caminho-da-Servidao-Hayek-F.-A_.pdf

Ananda disse...

Link para o livro: "Os Fundamentos da Liberdade" - Friedrich Hayek

http://www.libertarianismo.org/livros/fahofdl.pdf


Link para o livro: "Direito, Legislação e Liberdade" - Friedrich Hayek

http://www.libertarianismo.org/livros/fahdllvol1.pdf

Postar um comentário


Videos editados I


Ninguém está autorizado a editar meus vídeos e fazer montagens, cortes, adições ou qualquer outra manipulação com as imagens das palestras.

Somente com autorização por escrito alguém pode usar minhas imagens.

Isso já foi dito na palestra passada e já postei sobre isso.

Quem está fazendo isso está prejudicando o trabalho.

Existe uma estratégia de divulgação feita por mim e que está sendo seguida à risca.

Todos os vídeos editados por outras pessoas devem ser tirados de qualquer mídia em que estiverem.

Postagens populares

Marcadores