Pesquisar este blog

Carregando...

terça-feira, 16 de agosto de 2016

Prosperidade e Alquimia XVII



Prosperidade e Alquimia XVII

Conceitos

Para se entender a Alquimia é preciso entender que o mundo que se percebe é puramente mental. Tudo é uma projeção da mente tentando entender o significado do que está dentro dela. Todos os procedimentos de laboratório dos alquimistas tinham esse objetivo, mesmo que não percebessem. Decifrar a natureza da matéria implicava inevitavelmente em entender a si mesmo. Tudo o que existe é uma abstração mental de uma Mente Única. Os alquimistas sabiam que este era o segredo dos segredos e que deveria ser tratado com muito cuidado. Por esta razão os tratados são obscuros. Era uma forma de proteger o conhecimento e a si mesmos. Exigiria um certo nível de abstração para poder ser decifrado.

Testavam na matéria (química) para poder sair da Matrix. De certa forma anteciparam em séculos o próprio filme. No filme o telefone toca para se sair da Matrix e os alquimistas manipulavam os elementos para conseguir o mesmo. Quando entendiam o funcionamento destes saiam da Matrix. Quando se chegou nesse entendimento houve uma separação fundamental: surgiu a química moderna e a metafísica. Hoje fala-se em físico/química e caminha-se para a metafísica. Isso levará uns séculos para se chegar nesse ponto, mas está em andamento.

Enquanto isso é preciso entender como os alquimistas pensavam se quisermos ter os mesmos resultados que eles. Tudo é uma projeção mental. A Realidade Última não é o que vemos. Ainda. Cada vez que aumentamos a claridade de pensamento, que despertamos, damos mais um passo para chegar perto do nível de vibração da Realidade Última. Cada experimento que faziam tinha uma contraparte psicológica evidente. E foi por isso que descobriram como funciona tudo o que existe. Porque eles enxergavam as duas faces da moeda: o experimento químico mostrava o interior de si mesmos. Mostrava todas as nuances das suas próprias vidas. O que acontecia, o momento em que acontecia, porque acontecia, as consequências, o que vinha em seguida, etc. Tudo ficou claro com o passar dos séculos de pesquisas até que entenderam e pararam com os experimentos. Foi imprescindível que fosse assim. Somente testando na vida material poderiam tirar as conclusões metafísicas do que viviam. Todos os livros antigos com suas ilustrações alquímicas mostram que eles entenderam perfeitamente. Tudo isso hoje já está muito bem analisado. Mas, da mesma forma que naquela época, sempre existem profundas implicações neste conhecimento.

A Alquimia descreve uma transformação interior, psicológica, mental, emocional, espiritual, que todo ser atravessa durante a vida. Os procedimentos podem não ter a mesma sequência para cada ser, podem acontecer vários ao mesmo tempo, mas o resultado final é o mesmo. Todas as manipulações químicas que faziam era para chegarem no âmago da matéria, a prima matéria, a origem de tudo. Eles sabiam que tudo se originava de uma coisa primordial. Hoje falamos em energia primordial que gerou o Big Bang. Eles não conheciam a física nuclear nem tinham aceleradores de partículas, mas nos seus laboratórios chegaram a mesma conclusão. Precisamos de séculos para chegar no Bóson de Higgs e eles conseguiram esse entendimento muito antes de nós. Por isso pararam de fazer experimentos químicos. Os que continuaram criaram a química. É por esta razão que a Alquimia deve ter profundo interesse para nós. Suas descobertas são mais atuais do que nunca. O entendimento da realidade implica na solução de todos os problemas e na prosperidade infinita.

Quando falavam do vaso hermético, por exemplo, falavam que “um é o vaso”. É a mesma coisa que hoje se fala em Oceano Primordial. Todo o simbolismo usado é para falar exatamente isso. Todos os procedimentos são para que se entenda isso e que se sinta isso. Jung comenta que esse vaso é uma espécie de Matrix do qual nascerá a Pedra Filosofal. Mais uma vez a trilogia Matrix fala a mesma coisa em outros termos e mostra o mesmo resultado. E por isso a conclusão da trilogia foi criticada. Vejam que mesmo fazendo um filme de forma mais clara do que os alquimistas escreviam o resultado foi o mesmo. Foi rejeitado. É por esta razão que eles faziam propositalmente de forma obscura. 

Existe um tratado de alquimia de nome: “A Física e a Mística”. Isso mostra sem sombra de dúvida que eles sabiam do que estavam falando e o que faziam. Quando os séculos passaram o trabalho deles tornou-se metafísica (física e mística juntos). Jung pergunta porque eles faziam experiências de laboratório se o objetivo era outro. A resposta é que eles faziam isso exatamente da mesma forma que fazemos hoje num acelerador de partículas. Para descobrirem como funciona tudo e quando descobriram pararam de fazer as experiências. E o conhecimento ficou mais hermético ainda na metafísica. Eles não desistiram. Apenas que descobriram o que queriam. E a pesquisa passou para outro nível que não precisa de laboratórios. É puramente mental. Foi essa longa experiência que permitiu a que hoje se entenda que tudo o que existe é mental. Graças a eles temos esse conhecimento hoje em dia. 

Eles projetavam o inconsciente na matéria para poder entender o inconsciente. Sabiam de forma intuitiva que o Self estava no cerne da matéria. Foi um caminho puramente ocidental. Outros povos entenderam isso apenas com a meditação, mas o ocidente tem o arquétipo do empirismo. Um complementa o outro. O insight de que o inconsciente está na matéria foi fundamental. Jung diz que pode ter sido de forma involuntária. Talvez eles já soubessem o que outros povos já sabiam e resolveram seguir outro caminho de pesquisa para provar de outra forma. O fato é que chegaram nas mesmas conclusões. 

Jung explica que a projeção não é feita, ela acontece por si mesma. Ela é. Fazemos a projeção de qualquer maneira, quer queiramos ou não. O alquimista vivenciava o próprio inconsciente quando fazia as experiências. Tudo que vemos, sentimos, é uma projeção do inconsciente. É por essa razão que é extremamente importante purificar o inconsciente e isso é o que fazem os procedimentos alquímicos. E isso os alquimistas sabiam muito bem. Toda teoria criada sobre o desconhecido é uma projeção. Não há base de comparação com nada. É o desconhecido. Só podemos projetar o nosso interior para podermos entender algo sobre aquilo ou tentarmos entender. Isso é o que se chama teoria na ciência. E as teorias são aprimoradas continuamente já que cada cientista faz uma projeção mais aproximada da Realidade Última. Mesmo quando Niels Bohr fala que não trata da Realidade Última, ele forçosamente está tendo de tratar dela. Toda teoria de física em última instância é sobre a Realidade Última. Da mesma forma que a Alquimia. Além do que nos experimentos de laboratório os alquimistas tinham “visões”. Até que ponto essas “visões” não eram vislumbres da outra dimensão? Até que ponto essas visões forneceram os conhecimentos que permitiram que chegassem às conclusões que chegaram? 

Jung escreve uma frase realmente impressionante nesse ponto da sua análise: “A matéria forma-se por efeito da ilusão – necessariamente, a do alquimista. Esta ilusão poderia ser a “vera imaginatio” (imaginação verdadeira) que possui o poder “de informar””. Ele intuiu ou sabia que a Realidade Última in-forma tudo o que existe. Por isso os sonhos contêm tanta informação sobre a pessoa que sonha. Porque os sonhos também estão in-formados. É neste ponto que a Iluminação Espiritual é um trabalho alquímico por excelência. E precisa de uma infusão da Realidade Última para que se possa completar. É desta forma que surge a Pedra Filosofal.

domingo, 7 de agosto de 2016

Prosperidade e Alquimia XVI


Prosperidade e Alquimia XVI

Variáveis Ocultas

Qualquer trabalho de desenvolvimento pessoal, profissional, de negócios, prosperidade em qualquer área, deve considerar o que é chamado: Variáveis Ocultas. Vivemos num paradigma cartesiano, reducionista, materialista, que impede que estas variáveis sejam consideradas no dia a dia. Analisar um fato de maneira parcial impede a resolução dos problemas. É preciso considerar todas as dimensões da realidade e suas variáveis para se ter sucesso em qualquer empreendimento. Os procedimentos de alquimia fazem com que a pessoa enxergue a realidade e tenha entendimento perfeito da Realidade Última. É preciso analisar todos os ângulos do problema ou projeto. De qualquer forma se essas variáveis não forem consideradas a Calcinatio fará com que mais cedo ou mais tarde sejam. Na página 359 do livro “Psicologia e alquimia”, Jung mostra um exemplo de Calcinatio, que é o lobo devorando o rei. Depois disto o rei renasce purificado.

Vinte e dois anos atrás atendi uma cliente dona de uma loja que tinha perdido 80% de faturamento de um mês para outro. Ela não conseguia entender o que acontecia, pois nada havia mudado. Tinha analisado todas as variáveis de mercado, preço, produto, atendimento, local, etc., e nada tinha mudado a não ser que uma nova loja tinha sido aberta em frente da sua. Ela notou que os clientes entravam na sua loja, faziam as perguntas sobre produto, preço, etc., saiam e compravam na loja da frente. O problema é que havia sido colocado na porta da sua loja dois espíritos negativos para afastar os seus clientes. Isso tinha sido feito pela dona da loja da frente. Enquanto esses negativos não foram afastados o faturamento não voltou ao normal. Este é apenas um exemplo de como as coisas são realmente quando se considera todas as variáveis envolvidas em qualquer coisa.

Uma lista parcial das Variáveis Ocultas seria:

Magia negra

Obsessores espirituais enviados por um inimigo ou concorrente

Obsessores espirituais pessoais decorrentes de algum fato do passado

Amarração feita por alguém que quer controla-lo

Traumas de nascimento esquecidos

Traumas de abusos sexuais na infância

Karma de vidas passadas

Emanações negativas de outras pessoas: ciúmes, raiva, inveja, ódio, ressentimento, etc.

Os próprios sentimentos negativos da pessoa: ciúmes, raiva, inveja, ressentimento, zona de conforto, busca de aprovação, preguiça, dissonância cognitiva, etc.

Sistema de crenças que fazem com que o Mapa da pessoa seja extremamente diferente do Território. O que a pessoa acredita que é real não é. Toda crença cria uma realidade.

Tudo isso tem de ser considerado, analisado e resolvido para que se possa progredir de maneira consistente e constante. Caso contrário a auto sabotagem será inevitável. 


terça-feira, 2 de agosto de 2016

Prosperidade e Alquimia XV

Igreja Cristã de Aton


Prosperidade e Alquimia XV

Propósito de vida

Toda pessoa nasce com um propósito de vida que é o que ela realmente veio fazer aqui para sua própria evolução. Este propósito é o que há de mais importante na vida dela e tudo o mais é secundário. Muitas vezes a pessoa faz várias coisas diferentes durante a vida até encontrar o que realmente lhe realiza. Existe um sentimento que diz que encontrou isso. A intuição também diz isso.

A Alquimia é a ferramenta que faz com que a pessoa mais cedo ou mais tarde descubra e faça o que veio fazer. A Alquimia descreve exatamente como o universo funciona. Quando foi pesquisada haviam duas possibilidades: uma seria o caminho da física e da química (que foi o que aconteceu) e a outra seria a explicação da Psique (o que foi praticamente ignorado). A questão aqui é que a Alquimia continua funcionando, tanto do ponto de vista da física/química quanto no aspecto psicológico. O universo funciona da forma que os físicos descrevem e também com o aspecto psicológico. Podemos usar a Alquimia de uma forma ou de outra. O importante é entender que toda a questão da evolução espiritual está descrita pela Alquimia.

Vejamos. Caso a pessoa nasça e se desvie por qual razão for do seu propósito de vida, os procedimentos alquímicos de Calcinatio, Solutio ou Sublimatio começarão a atuar para que ela encontre seu caminho. Os procedimentos alquímicos são como o sistema operacional que está por trás de tudo. As pessoas usam programas aplicativos no computador, mas o que faz “rodar” estes programas é um sistema operacional que aparentemente é invisível para o usuário. Sem o sistema operacional nada poderia ser feito. Da mesma forma a Alquimia. Atrás de tudo o que acontece na vida do universo estão os procedimentos alquímicos. Como se fosse o sistema operacional do universo. Ele conduz todos os seres para a evolução. Isto é da maior importância de ser entendido, pois ficará muito mais fácil a vida de quem entendeu. A real prosperidade em todos os sentidos somente acontece depois que os procedimentos já foram realizados de forma intensa. Alguns procedimentos são eternos outros não precisam ser. Se a pessoa já entendeu que é importante para ela evoluir tudo correrá mais fácil. Em última instância a Alquimia é a ferramenta do Co-Criador Consciente. Harmonizando a vida da pessoa com os procedimentos alquímicos tudo tomará uma velocidade enorme em termos de evolução. A pessoa entra então em fase com os procedimentos. Falando de outra forma ela deixa-se “rodar” pelo Sistema Operacional. A melhor forma de fazer isso é soltar. Entrar no fluxo do universo sem por nenhuma resistência. Que é exatamente o que a Sublimatio faz. Existem dois caminhos fáceis: Solutio e Sublimatio. E outro mais difícil: Calcinatio. É de livre e espontânea vontade que escolhemos um ou outro. Não há como evitar a Lei da Gravidade e também não há como evitar a Alquimia.

Cabe a nós tiramos o melhor das possibilidades que temos diante de nós.

domingo, 31 de julho de 2016

A cura da dor pela compreensão do maior



A cura da dor pela compreensão do maior

Muitas vezes a dor de um trauma fica por um tempo além do normal para que seja curada. A vitimação faz com que a pessoa não solte a dor e fique enredada num círculo vicioso por tempo demais. Mesmo quando uma Luz externa chega até a pessoa ela novamente se fecha após receber o benefício da cura. E tudo volta a ser como antes. Por um tempo muito longo sem necessidade.

A cura pode acontecer pela compreensão de que aquilo era para a pessoa dar um salto evolutivo. Não era para cair numa depressão sem fim. Não era para se sentir vítima. O entendimento de um plano imenso para a vida da pessoa em que cada evento faz parte da sua evolução é fundamental para a cura.

Soltar o passado, soltar o trauma, olhar para a frente e continuar avançando sempre. Se a pessoa entender que se tivesse soltado antes tudo seria diferente já é um grande avanço. O não soltar é que causa a dor, o sofrimento e tudo o mais que prejudica a pessoa. Tirar o foco do problema e pôr na solução. O tempo é infinito, mas pode ser desperdiçado se a vitimação não acabar nunca. Enquanto não houver o desapego o problema continuará aparecendo. 

Jacques Lacan disse algo assim: “O que é expulso do Simbólico retorna no Real.”. Se a pessoa entender que tudo que acontece na vida tem um conteúdo simbólico ela poderá avaliar tudo de forma diferente. Para o inconsciente tudo é simbólico. É a linguagem que ele entende e como se comunica com o consciente. Todos os sonhos são simbólicos e precisam de interpretação. A mesma coisa acontece com a vida prática diária. Toda a vida é simbólica também e precisa de interpretação. Desta forma a pessoa entenderia que o fato traumático é simbólico de algo maior que ela precisa entender para evoluir. O fato concreto é uma coisa e o simbólico é outra. Se a pessoa não aprende a lição ela volta até que seja aprendida. E isso não tem tempo para acontecer. Pode levar muito tempo para a pessoa entender a lição. As dívidas são feitas vez após vez. O desemprego aparece vez após vez. Não prospera. A doença aparece vez após vez. Quando está progredindo acontece algo e volta tudo como estava. E isso inúmeras vezes na vida da pessoa. Existe um padrão. Fala-se em auto sabotagem, mas é outro nome para não entender o "simbólico" da situação. Enquanto não entender a mensagem o fato se repetirá indefinidamente. Como já foi dito antes: desejar sair do emprego não significa que deve sair. Se soltar interiormente já terá aprendido a lição. Antes de fazer qualquer coisa prática é preciso avaliar o simbolismo do que está acontecendo. O que a pessoa ainda não aprendeu para que aquilo esteja acontecendo?

quinta-feira, 28 de julho de 2016

Canalização II



Canalização II

Quando eu era criança costumávamos fazer paçoca em casa. Tínhamos um moedor manual com manivela. Colocávamos o amendoim aos poucos e íamos moendo. Depois da primeira passada juntávamos açúcar e moíamos tudo de novo. Fazíamos isso várias vezes até a paçoca estar perfeita. Até o amendoim estar completamente moído. Não existia mais grão, somente o pó da paçoca. Isso é exatamente o que a Alquimia faz com quem se torna um canal. Totalmente moído. Os procedimentos da Alquimia são para moer o ser até que ele só seja um Canal do Divino. Não há mais ego (não há mais grão). O grão gosta disso? Não. Mas, é a única maneira de virar paçoca. E o grão de amendoim nasceu para virar paçoca. 

Para se tornar um canal (deixar que o Divino passe por ele sem nenhuma interferência) é preciso tempo e muitas passadas moendo. Um canal deve servir ao Senhor com alegria. Apesar de todos os problemas, ataques, vicissitudes, aborrecimentos, etc., que é o dia a dia de qualquer canal que está entregue ao Senhor. E tudo isso com alegria sem esperar nada em troca. Só dar, ajudar, trabalhar, estudar. No máximo das forças da pessoa. Ser um canal não dará status nem vantagem alguma. É um serviço de tempo integral. Não há mais vida particular, nem interesses particulares, etc. Só há o servir com alegria ao Pai.

É lógico que o canal não aparenta isso. O canal sempre está de bom humor ajudando. Mesmo exausto sempre está ajudando sem medir os sacrifícios que faz.

Jung era assim. Basta ler as conversas particulares que ele tinha. Ou suas memórias. Para bom entendedor está tudo lá. Gandhi também era assim. E Campbell também. E todos os que vieram ajudar a humanidade a evoluir e expandir a consciência.

Psicologia Arquetípica, Mitologia e Alquimia tratam da mesma coisa com abordagens complementares. Porque os Arquétipos são o fundamento de tudo. E os procedimentos alquímicos são arquetípicos. A marca do gênio é poder deduzir tudo isso como Jung fez trabalhando em um pequeno planeta na borda de uma das incontáveis galáxias. Apenas analisando uma parte do Todo ele foi capaz de entender como funciona tudo.

A Alquimia mostra exatamente isso. A moagem do ser é feita pela Calcinatio ou Solutio. Pela dor ou pelo amor. Quando o ser está pronto vem a Mortificatio. Nesse ponto o ser já aceitou ser moído de livre e espontânea vontade. Já está entregue ao serviço do Pai com alegria. No final vem a unificação, a Iluminação, a Individuação (essas três palavras são sinônimas). 

Quando se põe a mão no arado não se deve olhar para trás. Nem reclamar, nem lamuriar, etc. Somente alegria de servir ao Pai. Enquanto isso não for interiorizado é impossível ser um canal limpo, que não interfere na mensagem. Este é um risco muito grande para o canal. Quando ele deixa suas opiniões particulares interferirem na mensagem. Por isso é preciso verificar os fatos que a mensagem está passando. Os negativos também podem passar mensagens. É preciso discernimento para separar o joio do trigo.


quarta-feira, 27 de julho de 2016

Prosperidade e Alquimia XIV



Prosperidade e Alquimia XIV

Coniunctio

Um dia depois de todos os demais procedimentos alquímicos chega a acontecer a Coniunctio. O Dois se torna Um. A águia se liberta do seu invólucro e voa. Agora o ser pode ser físico e espiritual ao mesmo tempo. Pode usar a forma que lhe aprouver. Pode viver em todas as dimensões e trafegar entre elas. Pode ser sólido e sutil quando quiser. Voltou para casa.

Na prática podemos ter fases de Coniunctio dependendo de quanto cada parte soltou tudo o mais. A descrição acima é da última fase da Coniunctio. Quando a união é perfeita. Em física se fala de entrar em fase. O que seria uma interferência construtiva. As duas ondas se somam. Os dois instrumentos precisam estar perfeitamente afinados para uma Coniunctio perfeita. O espírito quer unir-se ao Todo. Para que isso possa acontecer ele terá de passar por todos os procedimentos alquímicos com perfeição. Então estará pronto para a unificação. A carapaça do ego será deixada para trás e o espírito poderá voar.

Quando uma Coniunctio é feita sem estar totalmente preparada, haverá de ter Mortificatio para purificar completamente o ser. Todos os procedimentos estão inter-relacionados. O ser que almeja a unificação com o Todo deve estar disposto a entregar-se completamente aos procedimentos alquímicos. E ter seu ego completamente transformado para poder entrar em fase com o Todo. A Coniunctio inevitavelmente leva à Mortificatio do ego. É preciso muita meditação sobre este aspecto. A Centelha só pode assumir se não houver mais nada que impeça sua ação. 

Quando a Coniunctio é perfeita surgirá a Pedra Filosofal. Esta Pedra tem o poder de transformar todos os elementos. Nada pode ficar imune à sua ação, tal o poder da sua frequência vibratória. Todos os elementos que se aproximam da Pedra passam pelos procedimentos alquímicos seguidamente alcançando níveis de pureza cada vez maiores. Quando este trabalho termina não há mais opostos. Todos foram unificados e integrados. Este empreendimento é totalmente espiritual. O Self é a Pedra Filosofal. O sinal de que isso aconteceu é a presença de flores em todo o entorno, seja físico ou espiritual. Ou a percepção do aroma das flores. O sentimento que mostra a existência da Coniunctio é o Amor. O Amor é a emanação da Pedra Filosofal. 

A questão fundamental da qual não se tem como fugir é que estamos contidos dentro da Pedra Filosofal. Só podemos fazer uma escolha: unirmo-nos ou resistirmos. Caso escolhamos a união acrescentaremos mais consciência mutuamente em todos os sentidos e aspectos do Self.


terça-feira, 26 de julho de 2016

Prosperidade e Alquimia XIII




Prosperidade e Alquimia XIII

Separatio

No início quando o ser é emanado ele sai do Oceano Primordial e reveste-se de um ego. Essa separação é traumática para o ser. É como o trauma do nascimento para os humanos. Começa sua fase de evolução como um ego separado do Todo. O ser não gosta disso porque estava em segurança e conforto na união com o Todo. Agora ele tem de crescer e evoluir. Muitos tentam evitar isso. Mas, a Lei da Evolução se impõe e situações são criadas para induzir ao crescimento deste novo ser.

É preciso passar pela Separatio para adquirir mais consciência de si mesmo como ser autônomo. Pouco a pouco na ordem geral da evolução o ser vai tomando as mais diversas formas que contribuem para a sua evolução e expansão de consciência. Toda vez que acontecer uma Separatio haverá crescimento. Depois virá novamente uma unificação. Toda a mitologia está repleta de exemplos de Separatio. Toda Criação é uma Separatio. 

A consciência da Separatio também é a consciência de que existem opostos. O ser está só e percebe que existem outros. Esse sentimento provoca evolução. Terá de haver um relacionamento com os outros seres. Deste relacionamento surgirão novas informações que serão agregadas ao ser. E todos também evoluem. Isso significa que seremos capazes de projetar no outro nossas questões psicológicas e também temos de acolher a projeção dos outros. Sem que isso nos torne inimigos. Esse é o ponto final da evolução. Entender que o outro não é inimigo. 

A questão da consciência dos opostos aparece nas decisões que temos de tomar na vida. Esse é o desenvolvimento do ego. O ego é obrigado a tomar decisões, pois não está mais no Oceano Primordial. E aqui entra uma conscientização extremamente importante. Entre o simbólico e o concreto. O simbólico está nos transmitindo uma mensagem simbólica. É preciso muito discernimento para perceber isso. Por exemplo: devo sair do emprego ou não? O ego sente que deve decidir isso concretamente, mas a questão pode não ser essa. Pode ser que apenas a pessoa precise soltar psicologicamente o emprego sem pedir demissão. A questão psicológica é que é importante. A dúvida é simbólica. Não deve ser levada para o lado concreto da existência. Basta que a pessoa interiorize isso e está resolvido. Quando a consciência resolve esses conflitos eles desaparecem da vida da pessoa. A realidade concreta é uma projeção dos conflitos interiores. E quando não é resolvido volta outra vez para ser resolvido. Somente quando a consciência equaciona isso é que desaparece da vida. É extremamente importante entender esse conceito. Pois, senão ficaremos repetindo a mesma história inúmeras vezes até aprender a lição. Este exemplo deve ser levado para todas as questões em que se deve tomar uma decisão. Toda a vida concreta é simbólica. Depois é que tem um significado concreto.

A Separatio nos obriga a tomarmos infinitas decisões durante a vida. As decisões é que nos fazem crescer e evoluir psicologicamente. E toda evolução é psicológica. O Oceano Primordial faz a separação e também a união. Mas, somente depois que o ser elaborou e integrou a Separatio dentro de si. Quando o ser consegue ver o simbolismo da vida concreta e consegue resolve-la dentro de si. Falando de outra forma, a Libido Arquetípica é que faz a união novamente. 

A consciência faz com que vejamos a realidade concreta e tomemos decisões. Decidimos então se gostamos ou não de algo. Isso nos impulsiona a tomar uma decisão. Porém, a intuição nos diz o que é aquilo e quais as variáveis envolvidas na decisão. A intuição não decide, apenas mostra as infinitas possibilidades. E entre todas elas a melhor para o ser. 

Cada conteúdo inconsciente precisa da Separatio para que o consciente possa analisa-lo, elabora-lo e integra-lo. Então haverá a unificação daquele conteúdo. A Separatio pode criar divergências em virtude dos opostos. Estes têm de serem resolvidos e unificados novamente.

Toda situação tem um conteúdo arquetípico em nível macro que precisa de uma Sabedoria Arquetípica para ser resolvida. Chegar nesse conhecimento e percepção é a evolução. É enxergar as verdadeiras causas e origens de tudo. Enxergar a Realidade Última. O conflito dos opostos é para libertar todos. Para isso é preciso soltar. A razão só pode ajudar até um certo ponto. Quando a pessoa fica remoendo uma culpa, real ou imaginária, ela está presa em si mesma. Somente soltando a si mesma é que pode avançar. Soltar o ego que quer ficar remoendo a culpa. Chama-se isso de perdão. A cura da Separatio deve acontecer pela Individuação. Isso fica facilitado quando a pessoa percebe que as sincronicidades estão mostrando o caminho a seguir. Fala-se em coincidências, mas são sincronicidades. 

Toda a evolução contém episódios de Separatio. Isso não precisa ser de forma concreta se o simbolismo do fato for interiorizado pela consciência. O instinto de sobrevivência é uma maneira de se manter a Separatio. Para que a unificação possa acontecer no devido tempo. Nunca antes, pois o ego precisa estar maduro para a individuação. Senão cairia no Oceano Primordial como uma criança que procura o colo da mãe.

A Separatio é de fundamental importância para prover o crescimento dos seres para que possam então unificar-se de forma mais completa.

segunda-feira, 25 de julho de 2016

Prosperidade e Alquimia XII




Prosperidade e Alquimia XII

Mortificatio

Normalmente se tem uma lista de pré-requisitos a serem cumpridos para que a pessoa se ache feliz. Tudo que estamos detalhando nesta série é a fórmula para ser próspero e feliz em todas as áreas, independente de tempo e dimensão em que estejamos. Existe uma profunda sabedoria no conhecimento da Alquimia. Durante séculos esse conhecimento foi acumulado e testado. Foi fruto de muita análise e meditação. 

O que é mais importante na vida? Qual a prioridade máxima? Como é a lista de valores? Esta é a decisão mais importante que existe. Quando essas perguntas foram respondidas não existe mais dúvida sobre a validade da Mortificatio. 

Mortificatio acontece na maior parte das vezes depois que a pessoa teve contato com o mal. Por exemplo, quando a pessoa não acredita em magia negra e então vê-se alvo de uma. Isso é o que se chama “magia de redenção”. O sofrimento causado por qualquer magia negra também tem seu outro lado que é a conscientização de quem é alvo. A partir daí a pessoa passa a ter uma nova visão de mundo. A Mortificatio é essa nova visão de mundo.

O mal que está na sombra psicológica precisa ser dissolvido. Algumas vezes não basta a Calcinatio nem a Solutio. É preciso algo mais forte e impactante. Quando vamos a um velório estamos num procedimento de Mortificatio. A visão de uma pessoa morta tem um impacto poderoso em nosso interior para nos incentivar a destruir a sombra que existe em nós. Os resultados da Mortificatio podem ser evolução, redenção, renascimento, expansão da consciência e por incrível que pareça, alegria. O lado da sombra tem o potencial da luz dentro de si. A Luz brilha no escuro. O ego deve optar pela Luz. Quando o ego olha para si mesmo e percebe a sombra ele está pronto para escolher a Luz. É uma decisão consciente de opção pela Luz. Evidentemente que esta é uma batalha de tudo ou nada dentro do ego. Entre a Luz e as trevas. Por isso o nome Mortificatio. É uma batalha de vida ou morte. O ego quer ser o centro do universo e somente um procedimento arquetípico como a Mortificatio pode resolver isso. Esta é a Opus que o nosso espírito deve empreender. Mesmo que nosso ego não queira fazer isso. 

De vez em quando temos problemas e sofrimentos. Eles nos fazem crescer. Se os aceitarmos como parte da nossa Mortificatio sairemos mais fortes. É assim que a espada é forjada. Quando aceitamos de livre vontade a Mortificatio damos um grande passo na nossa evolução. Embora possa ser desagradável e doloroso vivenciar isso. É inerente ao processo de evolução enfrentar estas situações. Mais uma vez devemos olhar além da Mortificatio. Deve ser vista como uma semeadura que terá uma colheita farta. A semente é o símbolo da Mortificatio. O resultado da Mortificatio é a Pedra Filosofal.

O procedimento de separação do ego da Psique é também uma Mortificatio para o ego. Embora neste momento ele não tenha noção disso. Mas é o começo. Quando o ego entende isso acontece uma epifania. Não há mais dualidade nem opostos. Tudo é um só. O ego está unido ao Self. O soltar dissolve as ilusões. Na prática soltar é Moritificatio. Só que uma Mortificatio feita da forma mais elegante possível. Por isso o soltar é fundamental para a Individuação. O soltar consciente transformando a própria vida e tornando-se dono dela. Este é o começo da prosperidade infinita.

Videos editados I


Ninguém está autorizado a editar meus vídeos e fazer montagens, cortes, adições ou qualquer outra manipulação com as imagens das palestras.

Somente com autorização por escrito alguém pode usar minhas imagens.

Isso já foi dito na palestra passada e já postei sobre isso.

Quem está fazendo isso está prejudicando o trabalho.

Existe uma estratégia de divulgação feita por mim e que está sendo seguida à risca.

Todos os vídeos editados por outras pessoas devem ser tirados de qualquer mídia em que estiverem.

Postagens populares

Marcadores